Tu BiShvat O Homem é uma Árvore (Ano Novo para as Árvores)



 "Hoje as árvores emergem de seu sono de inverno e começa um novo ciclo de frutificação. Hoje em uma terra e em um continente que não é esse.
Tu Bishvat 15 de Shevat 5776 – 25 de janeiro, 2016
    Você já ouviu falar ou conhece Tu BiShvat "Ano Novo para as Árvores"? Ainda não então vamos lá.  O ano novo das arvores se comemora com cerimonias nas quais são plantadas arvores. Arvores? Isso mesmo arvores, temos que cuidar delas para as gerações futura. Os justos herdarão a terra e que nela tenha muitas arvores rsrsr.
Mas porque se tem essa data dentro no judaismo?
    Primeiro o Judaismo não é uma religião comum, na verdade nem religião é, só passou a ser uma depois do holocaust, e o porque se tem o dia das arvores é simples é o costume de um povo, de uma religiosidade, respeitada desde a oralidade. 

   Em muitos trechos bíblicos as arvores é respeitadas como em uma das leis, que diz que em uma guerra nenhuma arvore
  frutífera pode ser derrubada, ou em outros trechos que comparam o homem a uma arvores. como em:

- "Uma pessoa é como uma árvore de um campo..." (Deut. 20:19) Tradução do original hebraico.
- "Pois os dias de uma árvore deverão ser os dias do meu povo." (Isaías 65:22)Tradução do original hebraico. 
- "Ele será como uma árvore plantada perto da água..." (Jeremias 17:8) Tradução do original hebraico.

Mas porque a biblia/Torah faz essa comparação da arvores e do homem?
    A arvore precisa de elementos para viver e assim o homem também, precisa de solo, agua, ar e calor. Somos vitalmente semelhantes em nossas necessidades elementares.

Antes de fechar essa postagem vai algumas meditações para vocês..
Isso é verdade também para uma pessoa. O Talmud explica: 
"Uma pessoa cuja sabedoria excede suas boas ações é semelhante a uma árvore cujos galhos são numerosos, mas cujas raízes são poucas. O vento vêm e a erradica do solo, virando-a de ponta cabeça. Mas a pessoa cujas boas ações excedem sua sabedoria é semelhante a uma árvore cujos galhos são poucos, mas as raízes são numerosas. Ainda que os piores ventos do mundo viessem contra ela, eles não poderiam movê-la do lugar." (Avot 3:22) 

Uma pessoa pode parecer bem sucedida externamente, "cheia de galhos" e um carro de luxo. "Mas se as raízes são poucas" -- se há pouca conexão com sua comunidade e herança cultural -- então a vida pode mandar desafios impossíveis de transpassar. "Um vento forte pode virá-la de ponta cabeça." Uma pessoa sozinha é vulnerável a tendências e manias que podem guiá-la para o desespero e destruição. 
Mas se uma pessoa -- independente de sua riqueza ou status -- é ligada à sua comunidade e à sua herança cultural, então "mesmo que os piores ventos do mundo viessem contra ela, eles não poderiam movê-la do lugar." 


Os seres humanos precisam de uma casa sólida e forte, na qual a moral e os valores são absorvidos, e que ofereça um ambiente de suporte e crescimento. Num mundo repleto de negatividade; precisamos de um "filtro", um porto seguro para retornarmos e nos refrescarmos. Uma comunidade provê uma campo impenetrável - o "solo" onde podemos ser nós mesmos, cometer nossos erros, e ainda sermos aceitos, amados e nutridos. 


A Torá é uma árvore da vida para todos que a agarrarem."(Provérbios 3:18) Tradução do original hebraico. 
Midian L.S.Ferreira - Bióloga, futura mestranda em Arqueobiologia, Empresária, amo Historia , Antropologia, Etnobiologia, Genética, Animes e sempre estou em busca constante ao Conhecimento  - e  Artesã por paixão