Diga não ao Boicote a Israel

    As condições em todo o mundo com relação a direitos trabalhistas são bem complicados. Cada país possuem uma ou diversas reclamações quando a forma ou no que trabalham. Muito palestinos por não terem oportunidades melhores em seu pais, trabalham no Israel por pagarem mais, porém muitos trabalham em que não gostam "Na construção civil que chamam de ocupação" israelenses e palestinos lutam pelos direitos, e melhorias de trabalho junto a sindicatos. 
   Apesar de Israel com todos esses problemas trabalhistas a resolver, têm mais oportunidades de emprego e pagam melhor 5000 shekels enquanto a palestina paga 1.400 shekels , no ultimo ano ainda houve um maior aumento salarial e outras mudanças em Israel.
    Mesmo diante de todo dificuldade trabalhista, a própria palestina no ano de 2002 organizou um apelo a renovação do Boicote a Israel iniciado e abandonado pela liga Arabe.
    O Mundo (apoiador desse movimento) acredita que esse boicote é bom para os palestinos, porém muitos palestinos ja reclamam dessa posição extremista do "estado palestino".
    H.M, 47 anos, pais de seis filhos e palestino que trabalha em Israel diz: Essas pessoas estão lutando contra o meus direito de trabalhar. Esse trabalhador quer alimentar sua família e dar-lhe condição de vida mais o Boicote a Israel prejudica sem emprego. Não vamos alcançar a paz através de pressão e boicotes, mas trabalhando juntos. Muitas empresas Israelense já tiveram que fazer remanejamento o que resultou em demissões de palestinos nos últimos anos.
     Grande empresas em Israel tem como seus funcionários palestinos que ali trabalham, por seu pais não da oportunidades de empregos, não investindo em seu crescimento. E quando essas empresas fecharem devido ao Boicote, quem dará emprego as palestinos desempregados? quem alimentara famílias famintas? equipamento beliscos, tuneis  feitos para atacar não só a Israel como também o Egito entre outros paises?.
    Nos últimos anos as organizações européias passaram a pressionar somente o Estado de Israel de forma unilateral, e a Autoridade Palestina não é pressionada em nada, o que faz com que não haja nenhum avanço nos direitos sociais dos palestinos.
    "Eu me oponho ao boicote, porque, no final, ele prejudica os próprios palestinos. Um exemplo é a fábrica da Soda Stream em Mishor Adumim, agora já esta mudando algumas operações para Beersheva. Eu conheci trabalhadores palestinos que trabalhavam na indústria e demitidos por causa da transição. Eles me disseram que o salário era de 5000 shekels por mês, e agora a Autoridade Palestina está a oferecer-lhes salários de no máximo 1.400 shekels por mês. (Bassem Eid )
    O movimento de boicote opera principalmente nos países ocidentais aqui também infelizmente. Há alguns meses, uma campanha palestina começou a operar a todo vapor e pediu aos paises do ocidente para boicotar produtos israelenses comercializados na AP.
    A campanha liderada pelo oficial Mahmoud al-'Aalul da AP, e é apoiado por vários líderes palestinos, incluindo Mustafa Barghouti. A campanha foi acompanhada performances de comunicação, que incluiu inspeções de surpresa em lojas e supermercados para se certificar que "alinhar-se com a vontade do boicote".
    O Boicote a Israel levara o povo palestino a miséria, o boicote na realidade afeta sobre tudo os palestino.
Midian L.S.Ferreira - Bióloga, futura mestranda em Arqueobiologia, amo historia , antropologia, etnobiologia, genética animes e conhecimento  - Artesã por paixão

Nenhum comentário:

Postar um comentário